Lojistas temem quebradeira se os shopping centers continuarem fechados por mais tempo em Pernambuco

São 82 dias de portas fechadas, vitrines desmontadas, estoques quase parados e funcionários em casa. Desde o dia 21 de março, os shopping centers de Pernambuco fecharam para obedecer às medidas de distanciamento social implementadas pelo governo do Estado no combate à pandemia do novo coronavírus. No dia 1º deste mês, a equipe do governador Paulo Câmara começou a anunciar o plano de reabertura da economia, mas os centros de compras foram beneficiados apenas pela antecipação do dia de funcionamento do drive-thru, mas sem data para a abertura efetiva. Nesta quarta-feira (10), a Associação de Lojistas de Shopping de Pernambuco (Aloshop) encaminhou carta ao secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Bruno Schwambach, pedindo que a abertura dos estabelecimentos aconteça já na próxima segunda-feira (15), equiparando-se ao comércio de rua que também volta a levantar as portas nesta data.

Os lojistas argumentam que os micros, pequenos e médios comércios não resistirão mais tempo fechados. Além disso, a suspensão de contratos de muitos funcionários está com os dias contados para terminar e, sem a reabertura das lojas, os empregadores não poderão demitir nem terão faturamento para pagar a folha salarial. Ontem, a Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop) fez um apelo aos governadores e prefeitos do País, pedindo sensibilidade dos gestores para a reabertura dos estabelecimentos. De acordo com a Alshop, o setor já perdeu 120 mil empregos e 15 mil lojas foram fechadas. 

Em Pernambuco, o setor conta com 19 shopping centers, com 3,7 mil operações e 60 mil funcionários. “A economia precisa voltar a funcionar para manter o negócio vivo e os empregos. Se demorar mais vai haver quebradeira. Ainda não sabemos o número certo, mas nem todos os lojistas vão conseguir voltar. Conversamos com os empresários e sabemos disso”, diz o presidente da Aloshop, Ricardo Galdino.

HISTÓRIA

Ele lembra que o setor de shopping tem 40 anos de atuação no Estado e o reconhecimento de ser extremamente organizado. “Na carta que encaminhamos ao secretário, mostramos que estamos preparados para cumprir os protocolos e receber bem o cliente. Sem falar que a experiência de retomada tem sido tranquila. No Brasil temos 577 shopping e 130 abriram, mas a experiência mostra que tudo está acontecendo de forma lenta porque o próprio cliente quer testar essa volta. Se nós já nos preparamos para receber o cliente com higiene, segurança e saúde, queremos nos equiparar ao comércio de rua e abrir no dia 15, se for possível. Ou um pouco depois, como uma semana. O secretário foi receptivo e estamos aguardando um retorno”, afirma Galdino.

Procurado pelo JC, Schwambach respondeu que terá uma resposta nesta quinta-feira (11) para o setor. “Estamos em constante diálogo com todos os setores e submetendo os pleitos ao comitê do gabinete de crise. Acredito que amanhã (11) deveremos ter um retorno do que será possível (ou não) ser implementado na semana que vem”, destaca.

Fonte: Jornal do Commercio | 10 de junho de 2020.