Varejo melhora, mas não tira perdas passadas

Foto: Thinkstock

O movimento de consumidores nas lojas do País cresceu 6,3% nos primeiros seis meses deste ano em relação a igual período de 2017.

Os dados são do Indicador Serasa Experian. O resultado foi o melhor para um primeiro semestre dos últimos cinco. Apesar da forte alta, o resultado não compensou a queda acumulada registrada nos dois anos anteriores. No primeiro semestre de 2016, houve declínio de 8,3% e recuo de 1,5% no mesmo período de 2017.

Para os economistas da Serasa, o juro baixo e a modesta expansão do crédito ajudaram a impulsionar as vendas de bens de consumo duráveis, que foram destaque.

A categoria de móveis, eletroeletrônicos e informática foi a que mais cresceu (14,9%) em comparação com os seis primeiros meses do ano passado, seguida pela de veículos, motos e peças (4,1%).

Em contrapartida, o setor de supermercados, hipermercados, alimentos e bebidas encolheu 1,9% na mesma base. Houve recuo também no ramo de combustíveis e lubrificantes (-5,8%), no de tecidos, vestuário, calçados e acessórios (-1,2%), e no de materiais de construção (-6,1%).

Perdas

Enquanto o fluxo de clientes dá sinais de melhora, os feriados do primeiro semestre foram responsáveis por tirar mais de R$ 3 bilhões do varejo carioca no primeiro semestre, segundo estimativa do Clube de Diretores Lojistas do Rio de Janeiro (CDLRio). Ao todo foram seis feriados em dias úteis e dois no sábado no primeiro semestre e a perda de faturamento médio é de R$ 385 milhões por cada dia parado.

“Não há dúvida que este excessivo número de dias parados prejudica o comércio. São mais de quinze dias de vendas depreciadas”, diz o presidente da entidade, Aldo Gonçalves.

Fonte: DCI | 11 de julho de 2018