Varejo cobra retomada de operações veloz ‘assim que houver segurança’

O IDV, principal associação do empresariado ligado ao varejo, informou nesta terça-feira que os associados do instituto “corroboram com a necessidade de fechamento de lojas e doações significativas no combate à pandemia, mas esperam uma análise em tempo real para que as operações sejam retomadas imediatamente, assim que certificada a segurança da saúde da população.”

É a primeira vez que o IDV levanta esse ponto de retomada imediata das operações logo que condições de saúde apontarem para essa possibilidade.

A questão foi mencionada após o empresário Abilio Diniz ter dito na noite de ontem acreditar em um horizonte de semanas para uma volta da economia à normalidade, como relatou o Valor ontem.

“A situação não é tão grave assim. O coronavírus se espalha rapidamente e temos de ficar reclusos, mas não por muito tempo. Precisamos de um horizonte de semanas, não de meses. Precisamos saber que isso vai passar. E eu gostaria que as autoridades dissessem isso, passassem essa mensagem”, afirmou ele em uma transmissão ao vivo.

O empresário Luiz Durski Junior, dono do grupo Madero também mencionou esse aspecto em redes sociais na noite de ontem. Ao Valor nesta manhã, ele disse que é preciso um horizonte claro de retorno das atividades das empresas logo que possível.

No comunicado distribuído hoje, o IDV ainda diz que o governo “precisará irrigar fortemente a economia para que não haja um colapso, com demissões em massa, além da crise provocada na saúde pelo vírus”, afirma na nota o presidente do IDV, Marcelo Silva.

O posicionamento do IDV foi publicado após reunião ontem com representantes de 70 redes varejistas associadas ao instituto.
“A entidade entende como necessárias e colaborou com as medidas de saúde e quarentena, mas é fundamental propor ações urgentes com impacto na economia”

Como informado pelo Valor hoje, a entidade encaminhou ontem aos governos estaduais e federal recomendações de medidas emergenciais para mitigar os efeitos da pandemia de coronavírus, nos âmbitos trabalhista e tributário.

Os 70 associados da entidade somam faturamento anual de R$ 345 bilhões, cerca de 750 mil empregos diretos (8,35% da mão de obra formal do varejo brasileiro) e, aproximadamente, 30 mil estabelecimentos comerciais e 200 centros de distribuição,

No âmbito trabalhista, o IDV acredita que há a necessidade de concessão de férias individuais e também coletivas, licença remunerada, utilização de banco de horas, redução de salário, entre outras medidas.

No âmbito tributário, o IDV encaminhou sugestões com uma série de medidas a serem estudadas pelo Governo Federal, sendo uma delas a tarefa de socorrer Estados e municípios para permitir a prorrogação de todos os impostos, taxas e contribuições por 120 dias, de maneira ampla e irrestrita, com pagamento parcelado deste período entre julho e dezembro de 2020.

Para Silva, é necessário reduzir “as graves consequências de uma queda brutal da atividade econômica, que provocaria uma profunda recessão, com encerramento de muitas atividades e consequente altíssimo nível de desemprego”.

Fonte: Valor Econômico | 24 de março de 2020