Novas formas de consumo podem ajudar na consolidação de outlets no Brasil

Os novos hábitos resultantes da pandemia de Covid-19 devem ajudar na consolidação de um mercado que já estava se expandindo no Brasil: o de outlets. No ano passado, o crescimento do segmento foi de 17%, segundo pesquisa da Associação Brasileira de Shoppings Centers (Abrasce). Com a chegada do coronavírus, a pandemia, muitos negócios foram afetados e alguns comportamentos, alterados, o que tende a fortalecer o modelo.

“As pessoas estão voltando a consumir, mas estão levando em conta, também, aspectos como ambientes ao ar livre, espaço para não gerar aglomeração e rigor nos protocolos de saúde. Em um outlet, temos tudo isso”, afirma Paulo Perez, sócio do Grupo BCI de Pernambuco e empreendedor do Recife Outlet, que abrirá suas portas para o público do Estado em fevereiro de 2021.

O empreendimento será um dos mais novos do País e conta com investimento inicial de R$ 65 milhões. Terá 72 operações, gerando cerca de dois mil empregos quando entrar em funcionamento. “A nossa expectativa é atingir cerca de 115 municípios pernambucanos, além de alcançar outros Estados, como Alagoas e Paraíba, devido à nossa localização estratégica em uma via muito importante e central”, destaca Perez.

O planejamento teve início antes mesmo da pandemia. “Já tínhamos acertado antes porque acreditávamos no projeto. Sabemos que as pessoas irão procurar centros de compras com mais espaço e áreas abertas”, ressalta Roberto Lopes, franqueado da Crocs para Pernambuco, Rio Grande do Norte e Paraíba, que já confirmou sua loja no Recife Outlet.

Busca por preços melhores

Segundo Artur Regen, diretor-geral da New Era no Brasil, que possui hoje 50 lojas em shoppings e 14 operações de outlet, essa tendência de mudança no modelo de consumo é real, mas outros pontos também ajudam a consolidar o crescimento do setor. “As pessoas também perderam renda e, na hora de realizar suas compras, irão buscar melhores ofertas de preço. Com os outlets elas conseguem isso sem perder em qualidade nos produtos comprados”, reforça. Regen revela ainda que, em junho e julho, o varejo já deu sinais de recuperação.

O Outlet Premium, em São Paulo, atende uma média de seis milhões de consumidores por ano e passará por uma ampliação. O empreendedor Para César Ferdermann, afirma, ainda, que está envolvido no lançamento de outro empreendimento, o que pode acontecer ainda neste ano. Ainda de acordo com a pesquisa da Abrasce, 58% dos empreendedores do ramo pretendem realizar expansões nos próximos três anos.

Outra marca que tem presença forte nos outlets do País é a Levi’s. “Estamos em todos os empreendimentos do País neste setor e estaremos no Recife Outlet, que irá funcionar a partir de fevereiro em Pernambuco. Acreditamos muito no crescimento do setor em 2021 e já visualizamos sinais de melhora agora em 2020, com algumas lojas chegando a crescer em dois dígitos no comparativo com os mesmos meses de 2019″, destaca o Rui Araújo Silva, Managing Director South America East.

Andre Costa, diretor executivo da Agência Brasileira de Outlets (About), com experiência de mais de 15 anos no setor, levanta outros pontos que ajudam na consolidação deste tipo de equipamento. “As marcas entenderam que este é um canal estratégico para a criação de linhas especificas e organização de seus estoques, o que acaba potencializando as vendas e ainda associando qualidade e bons preços. Trata-se um empreendimento mais democrático e que atende a várias camadas sociais”, afirma.

Fonte: Mercado & Consumo | 21 de outubro de 2020.