Lojistas registram aumento nas vendas após seis meses de quarentena

Após seis meses do anúncio da quarentena, 68% dos lojistas relataram um aumento nas vendas. Datas sazonais, como Dia das Mães, Dia dos Namorados, Dia dos Pais e Dia das Crianças, contribuíram para a retomada do comércio. A comparação foi feita em relação ao início isolamento social, que ocorreu em março deste ano, de acordo com pesquisa da Federação das Câmaras dos Dirigentes Lojistas do Estado de São Paulo (FCDLESP).

Para os lojistas, o setor mais beneficiado foi o de eletrônicos (com alta de 59,1%), seguido pelo de beleza e de cuidado pessoal (22,7%). Além disso, os setores de vestuário e calçados (13,6%) e o de brinquedos (4,5%) acompanharam o levantamento, ocupando o terceiro e quarto lugares, respectivamente.

“Passamos por um período de quedas de vendas, porém, as datas tradicionais do varejo auxiliaram para o início de um cenário positivo ao comércio. Outro ponto que favoreceu foi a média considerável de consumidores circulando nas ruas. A presença das pessoas estimulou as vendas nas lojas físicas”, explica o presidente da FCDLESP, Maurício Stainoff.

A reabertura dos estabelecimentos também ocasionou despesas, como obrigações sanitárias. Dessa forma, muitos empresários tiveram de recorrer ao Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), programa governamental que visa facilitar crédito. Mas 50% das micro e pequenas empresas não tentaram recorrer ao crédito devido aos obstáculos burocráticos com que se depararam. Cerca de 25% procuraram, mas apenas 22% obtiverem êxito, ou seja, 11% do total. Segundo o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), de modo geral, apenas 15% das empresas foram atendidas pelo Pronampe.

Fonte: Mercado & Consumo | 04 de novembro de 2020.