Lembra da Black Friday? Ela puxou o comércio em novembro

A campanha promocional da Black Friday foi decisiva para impulsionar as vendas do varejo em novembro, que cresceram 2,9% em relação a outubro, o melhor resultado para o mês desde o início da série histórica da pesquisa do IBGE, iniciada em 2000.

Conforme dados divulgados nesta terça-feira pelo instituto, o desempenho do varejo em novembro foi influenciado pela avanço de 6,9% das vendas dos chamados “outros artigos de uso pessoal e doméstico”, que incluem brinquedos, óculos, joias, cama, mesa e banho. Também contribuíram as vendas de móveis e eletrodomésticos, que cresceram 5%.

“A Black Friday tem um forte apelo de vendas pela internet e esses produtos sofrem grande influência”, disse Isabella Nunes, gerente da Coordenação de Serviços e Comércio do IBGE, acrescentando, porém, que as promoções também ocorrem e influenciam as vendas físicas em variados segmentos. “Nos supermercados vemos promoções até de cerveja”.

Das oito atividades pesquisadas pelo IBGE para formar o chamado varejo restrito, seis tiveram variação positiva de outubro para novembro.
As vendas de supermercados cresceram 1,7% em novembro, ante outubro, com ajuste sazonal. As vendas do setor de artigos farmacêuticos, medicamentos e perfumaria cresceram 2,8%. Neste caso, o desempenho foi influenciado especialmente pelas vendas da parte de perfumaria, também puxada pelas promoções da Black Friday.

As vendas de tecidos, vestuário e calçados tiveram avanço de 1,7%. Já o comércio de combustíveis e lubrificantes ficou praticamente estável, com leve alta de 0,1% de outubro para novembro.

Por outro lado, tiveram quedas as vendas de livros, jornais, revistas e papelaria, com queda de 1,9%, e o comércio de equipamentos para materiais de escritório, informática e comunicação, que apresentaram uma baixa de 0,2% em novembro, ante outubro, com ajuste sazonal.

Por todo o país
O impulso das promoções da Black Friday foi espalhado pelo país em novembro, mês em que as vendas do varejo restrito cresceram 2,9% na comparação a outubro, com alta no volume de vendas de 25 das 27 unidades da federação, mostra a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), divulgada nesta terça-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

As maiores taxas de crescimento foram registradas na Bahia (8,7%), Rondônia (8,2%) e Maranhão (7,7%). Também tiveram bom resultados no mês os Estados de São Paulo (4,9%) e Rio de Janeiro (5,4%), ambos acima da média nacional. As quedas ocorreram em Tocantins (-0,5%) e Roraima (-0,1%).

Fonte: Valor Econômico | 15 de janeiro de 2019.