Intenção de consumo sobe 1,3% em setembro, após 5 meses em queda, revela CNC

A Intenção de Consumo das Famílias (ICF), indicador calculado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), cresceu 1,3% em setembro ante agosto, para 67,6 pontos, a primeira alta após cinco meses seguidos de quedas, informou nesta sexta-feira a entidade.

O ICF de setembro ficou 26,9% abaixo do registrado em igual mês de 2019 – é o menor nível para um mês de setembro desde o início da série histórica do indicador, em janeiro de 2010.

Segundo a CNC, a alta na passagem de agosto para setembro seria uma reposta à reabertura gradual do comércio. Nas avaliações sobre o curto prazo, o único componente do ICF relativo ao momento atual que apresentou retração foi o relacionado à renda (-1,1%).

“Esses fatores revelam que a percepção mais favorável do mercado de trabalho atual já se reflete positivamente e de forma mais intensa nas perspectivas em relação ao futuro profissional para os próximos seis meses”, diz nota divulgada pela CNC.

Em relação às condições de consumo, o subíndice Consumo Atual voltou a apresentar crescimento (+1,6%) após cinco quedas consecutivas, chegando a 50,7 pontos. O item Acesso ao Crédito registrou aumento mensal de 0,8%, depois de quatro recuos seguidos, para 81,1 pontos.

Com avanço de 3,2% ante agosto, o componente Momento para Duráveis registrou em setembro a segunda alta consecutiva. Só que o nível desse subíndice (42,3 pontos) é o mais baixo de todos os componentes do ICF de setembro, informou a CNC.

Fonte: Infomoney | 25 de setembro de 2020.