Infraestrutura das lojas virtuais é o primeiro passo para sucesso na Black Friday

Foto: Shutterstock

A Black Friday é uma das datas mais esperadas pelo varejo, principalmente porque há um aumento significativo nas vendas durante esse período. De acordo com a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), a data movimentou no ano passado R$ 2,48 bilhões nas lojas virtuais, crescimento de 16% quando comparado ao ano anterior. A pesquisa mostra que no total foram realizados 10 milhões de pedidos, com um tíquete médio de R$ 246.

E, para este ano, a demanda vai ser ainda maior. Em um levantamento feito pelo Google em parceria com a Provokers com 1.500 consumidores, somente 9% dos entrevistados disseram que não comprariam esse ano. Diante desse cenário, é preciso que os lojistas se preparem com antecedência para evitar que haja problemas de infraestrutura.

Porém muitos deles se preocupam em criar ações de marketing que possam atrair a atenção dos consumidores, mas é necessário que eles se atentem a outras áreas que envolvem o funcionamento de um e-commerce e que são determinantes para o sucesso da Black Friday. “Contar com plataformas de integração faz com que o empreendedor esteja bem preparado em três quesitos: infraestrutura, branding e experiência. O primeiro se dá pois, como existem muitos acessos neste período do ano, vem a necessidade de comportar esse volume. O segundo ponto é que o empreendedor pode passar uma imagem negativa caso não tenha um bom serviço e, chegando ao terceiro, ele deve oferecer a melhor experiência para quem consome”, explica Thiago Lima, CEO e fundador da LinkApi, plataforma de integração B2B.

Invista na plataforma
A plataforma é um ponto importante para o empreendedor dar atenção. É fundamental certificar-se de que ela, e todas as tecnologias envolvidas, estarão prontas para o grande volume de acessos. Parece óbvio, mas . Além disso, a loja precisa ter a cara da Black Friday. “Invista em uma personalização para a data, mude as cores da loja ou até adquira um template especial. Destaque as promoções e crie banners especiais para divulgar as ofertas de forma que o cliente já entre no site e confira as principais promoções”, indica Elias Junior, diretor de parcerias da Xtech Commerce.

Aposte em soluções antifraude
Além de marketing, plataforma de e-commerce e soluções de pagamento, uma loja virtual deve contar também com um provedor de antifraude estável, especialmente em períodos de alta sazonalidade. É fundamental que a análise de risco dê conta do recado diante de um aumento considerável de vendas, analisando compras com agilidade e extrema eficiência. Caso contrário, o lojista corre o risco de sofrer amargos prejuízos com fraudes ou, então, ficar com um pedido parado por mais tempo do que o necessário, desagradando o cliente legítimo. Se a solução antifraude fica fora do ar em um momento tão crucial como a Black Friday, o caos pode se instaurar.

“Há lojistas que vendem na Black Friday o equivalente a quase um mês. Os antifraudes precisam estar de prontidão para suportar este aumento de volume, seja na questão tecnológica e de servidores como, também, no provisionamento de equipe para atendimento e análises. Procure empresas de antifraude que trabalhem com mais de um fornecedor de DNS (Domain Name System), provisionem servidores extras para aguentar o tranco neste período e garantam que as análises automáticas e manuais sejam feitas com rapidez e sem risco de quedas de sistema”, explica Tom Canabarro, co-fundador da Konduto, empresa de antifraude que, em 2017, garantiu 100% de estabilidade para seus clientes durante a Black Friday.

Reforce a gestão
“Se você ainda não está integrado a um software de gestão online, na Black Friday, é essencial que esteja. Com um ERP, você controla todo o caminho da venda, desde o momento em que é realizada a compra, sem se preocupar em ficar conferindo o estoque toda hora, até a entrega do produto, graças a integração com empresas de logística para facilitar esse processo”, explica Sidney Zynger, diretor de Marketing do Bling, sistema de gestão empresarial (ERP).

Fonte: No Varejo | 31 de outubro de 2018