Cinco tendências para o varejo direto de NY

Foto: Pixabay

Todo o setor de varejo fica de olho na NRF: Retail’s Big Show, considerada o maior evento do setor do mundo, realizado anualmente em Nova York. Isso porque o evento é referência e apresenta as principais tendências do varejo. Para acompanhar as novidades e analisar como elas podem ser aplicadas no pequeno negócio, um grupo de 40 empresários do Estado de São Paulo participa da missão empresarial visitando a feira e fazendo uma série de visitas técnicas a empresas de sucesso do varejo americano.

De acordo com o gerente do Sebrae-SP Alexandra Robazza, que participa da missão em NY, a edição deste ano mostrou uma consolidação das tendências observadas em anos anteriores.

“Temos uma maturidade do mercado, com mais players, uma oferta maior de serviços e preços reduzindo”, destaca. Baseado na visita à feira e nas lojas em Nova York, Robazza apontou cinco tendências apresentadas na feira para o empreendedor ficar de olho:

1 – Customer centric: o varejo direciona as ações para entender e satisfazer as necessidades do cliente, de forma rápida e conveniente.

2 – Inteligência artificial: uso cada vez maior de algoritmos, a partir de dados coletados em todo processo de atendimento e relacionamento com o cliente.

3 – Uso de dados para melhoria da experiência do cliente: os dados são utilizados pelas lojas para municiar desde a gestão de curadoria até o que os vendedores vão dizer na hora da venda.

4 – Lojas assumindo um outro papel: em função da expansão do e-commerce, as lojas têm uma característica de conexão maior para oferecer um contato e uma experiência com a marca. Elas assumem, cada vez mais, um papel de showroom, onde, às vezes, é menos importante vender, e mais importante apresentar a marca e produtos para permitir que o cliente mergulhe no universo da marca.

5 – Personalização: entender aquilo que o consumidor quer para ele e que é diferente do que ele quer para os outros. Com o uso dos dados, as marcas conseguem oferecer situações personalizadas, que é diferente da customização, que está mais relacionada ao produto em si.

Fonte: Diário do Comércio | 21 de janeiro de 2020