Cielo, acionistas Banco do Brasil e do Bradesco reduzem dividendo e ações desabam

As ações da credenciadora de cartões Cielo tiveram uma queda de 4% após uma decisão tomada pela instituição e seus acionistas Banco do Brasil e Bradesco. O grupo resolveu abandonar a projeção de lucro líquido deste ano e reduzir dividendos.

De acordo com o Valor Econômico, esta definição não foi muito bem recebida pelo mercado e as ações despencaram 4.35%. No pregão da segunda-feira (27), a ação valia R$ 7,25.

Outro ponto é que a Cielo fez o anúncio sem detalhamento, o que deve pressionar ainda mais as ações no curto prazo.

O aviso da redução na distribuição de dividendos e juros sobre o capital próprio, chamado ‘payout,’ foi feito na sexta-feira (24). Ele será reduzido de 70% no primeiro trimestre para menos da metade, 30% nos próximos trimestres, reportou o jornal.

Cielo terá menos lucro em 2019

Com a decisão, alguns analistas preveem a diminuição de lucro líquido da empresa.

A casa de análises Eleven Financial cortou em 10% a projeção de lucro líquido para 2019 e reduziu o preço-alvo da ação para R$ 6 ao final deste ano — queda de 17,2% frente ao fechamento do dia 27.

Sua recomendação, contudo, continua sendo de venda dos papéis.

Guerra das maquininhas

Paulo Caffarelli, presidente da Cielo, acredita que a empresa precisa reforçar o caixa para se fortalecer na ‘guerra das maquininhas’ entre os concorrentes, bem como ter capital para futuras aquisições.

Uma das preocupações da instituição é que vários empresas rivais reduziram o prazo de repasse do fluxo de pagamentos nas maquininhas com cartão de crédito à vista — de 30 para dois dias.

Fora isso, várias empresas concorrentes reduziram ou até mesmo isentaram a tradicional taxa cobrada na operação.

Segundo a reportagem, também no dia 27 de maio, a Cielo passou a oferecer o pagamento instantâneo aos lojistas, desde que se cadastrem na nova conta digital da empresa.

Após a decisão da Cielo, a XP Investimentos não recomendou nada e se manteve neutra para os papéis ordinários da credenciadora e o preço-alvo de R$ 10 para este ano. No entanto, a instituição considerou negativa tal decisão e reportou:

“A cautela é devido à situação frágil dos acionistas minoritários das credenciadoras, pois os bancos estão se tornando cada vez mais agressivos em relação a essas operações a fim de reter clientes corporativos em suas plataformas”.

Analistas da Levante também acreditam que a vantagem competitiva da Cielo foi reduzida com o aumento da concorrência, inclusive daqueles que já chegam com produtos inovadores.

Cielo focou na participação de mercado

A Cielo conseguiu elevar de 41,2% para 41,8% a fatia de mercado entre os três últimos meses de 2018 e os três primeiros de 2019, na primeira alta desde 2015.

O resultado deu-se pela maneira mais agressiva na conquista de participação de mercado do que em conquistar rentabilidade, disse o Valor.

Fonte: Portal do Bitcon | 30 de maio de 2019.