Black Friday: 8 a cada 10 consumidores vão pagar compras, de preferência, à vista

Uma das principais datas do comércio, a Black Friday, no próximo dia 27, será realizada sob impacto, inclusive econômico, da pandemia de Covid-19. Ainda assim, a maioria dos consumidores brasileiros pretende ir às compras. E mais: oito em cada dez dizem que vão pagar à vista.

Pelo menos é o que indica uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) em parceria com a Offer Wise Soluções em Pesquisa. Segundo o estudo, 61% dos entrevistados afirmam que pretendem fazer compras na Black Friday esse ano, um crescimento de 24% em relação ao ano passado.

Entre os consumidores que farão compras na Black Friday, 63% justificam a intenção dizendo que este é um momento oportuno para comprar produtos que estão precisando com preços mais baixos; ao mesmo tempo, 37% afirmam que irão aproveitar para antecipar as compras dos presentes de Natal em promoção. Por outro lado, entre os que não farão compras, 24% alegam estar sem dinheiro, enquanto 20% estão desempregados.

Quando se trata da principal forma de pagamento a ser utilizada, 82% dos entrevistados pagarão as compras da Black Friday à vista, principalmente em dinheiro (45%) e no cartão de débito (34%). Por outro lado, 47% também admitem parcelar algumas compras, principalmente no cartão de crédito (41%).

Roupas e calçados

A pesquisa mostra que os consumidores têm a intenção de adquirir 3,3 produtos. Cada consumidor deve gastar, em média, R$ 918,23 com as compras durante a promoção, valor que aumenta para R$ 1.168,91 entre as classes A/B. Os produtos mais procurados serão as roupas (42%), os calçados (31%), os smartphones (22%), os eletrodomésticos (22%) e eletrônicos (20%).

As lojas online (83%) mantêm a preferência dos consumidores como locais de compra, sobretudo nos sites e aplicativos de varejistas nacionais (57%) e de compra e venda de produtos novos e usados (33%). Apesar do destaque no meio online, uma parcela considerável dos entrevistados afirma que vai comprar em lojas físicas (47%), especialmente no shopping center (29%) e nas lojas de rua (23%).

“O consumidor está cada vez mais habituado à Black Friday e sabe que pesquisar os preços continua sendo fundamental para garantir boas compras”, diz o presidente da CNDL. “Ao mesmo tempo, o comércio sabe que uma boa experiência de compra é indispensável para manter o consumidor fiel. Nesse momento, em que as vendas online crescem a cada dia, a reputação das lojas é fator primordial”, analisa.

Economia ao longo do ano

Um terço daqueles que estão dispostos a comprar na Black Friday afirma que pretende adquirir mais produtos que em 2019 (34%), ao passo em que 29% querem comprar um número menor de itens e 23% a mesma quantidade.

Considerando aqueles que pretendem aumentar os gastos na edição de 2020, 35% justificam dizendo que economizaram ao longo do ano para isso, enquanto 25% afirmam terem mais itens para comprar este ano. Em contrapartida, os consumidores que pretendem diminuir os gastos querem, sobretudo, economizar (48%), estão com orçamento apertado (26%) e têm a intenção de evitar dívidas (26%).

De olho nos menores preços, quase oito em cada dez consumidores ouvidos estão evitando realizar algum tipo de compra em outubro e novembro para aproveitar a Black Friday (77%), sendo que 19% mencionam as roupas, calçados e acessórios, 18% os eletrodomésticos e 17% os celulares/smartphones.

Com o intuito de aproveitar a oportunidade do evento e garantir os itens a serem adquiridos, 12% dos consumidores pretendem madrugar na porta das lojas físicas para garantir as compras, enquanto 41% pretendem passar a madrugada conectados na web com este objetivo, e 65% dos que trabalham pretendem se manter conectados na internet durante o expediente para se inteirar das ofertas.

A expectativa dos consumidores quanto às possiblidades de realizar compras a preços competitivos é expressiva: o desconto médio esperado durante o evento é de 43%, sugerindo que as pessoas buscam na Black Friday uma oportunidade única para pagar bem menos na aquisição de produtos e serviços.

Fonte: Mercado & Consumo | 19 de novembro de 2020.