Ação de shopping centers está fora do radar do mercado e é a mais barata do segmento

Foto: Money Times

As ações da Aliansce Sonae (ALSO3) estão fora do radar do mercado e são as mais baratas do segmento de shoppings, avaliam analistas.

“No acumulado do ano, a ação recuperou-se em relação às mínimas de 2020, apesar de permanecer mais de 40% abaixo dos recentes picos e ainda ter um desempenho abaixo do esperado em relação aos pares.”, explica o analista Bruno Mendonça, do Santander.

Ele recomenda a compra das ações, com preço-alvo de R$ 40. O potencial de valorização é de aproximadamente 33%.

“A empresa conseguiu coletar muitas sinergias da fusão (que continuarão), mas como parte das sinergias provém de receita, os efeitos completos só podem aparecer quando os resultados normalizarem”, ressaltam os analistas Gustavo Cambauva e Elvis Credendio, do BTG Pactual.

Eles estiveram reunidos com Rafael Sales, CEO da Aliansce, Carlos Correa (CFO) e Daniella Guanabara (RI).

“A administração se sente à vontade com o balanço patrimonial da empresa para navegar em águas turbulentas. E, embora também esteja preservando dinheiro, eles continuam observando oportunidades de fusões e aquisições e novos projetos (que agora estão suspensos, mas estão preparados para retomar todos os projetos)”, explicam Cambauva e Credendio, que calculam um preço-alvo de R$ 38 e recomendam a compra das ações.

O analista do Santander listou 5 motivos para comprar as ações:

1 – “Acreditamos que seu forte balanço ajudará a enfrentar a crise da COVID-19 (relação Dívida Líquida/EBITDA de 0,9x no 1T20)”

2 – “Esperamos que uma sólida combinação de impulsionadores forneça suporte à retomada do crescimento orgânico pós-crise”

3 –  “A empresa poderia ser um potencial consolidador de mercado, a nosso ver, em função do seu posicionamento diferenciado e da força do seu balanço”

4 – “Destacamos a experiência em desenvolvimento de longo prazo da administração e o forte foco na alocação de capital”

5 – “A empresa aumentou a liquidez das ações desde a oferta de 2019 (valor médio diário negociado de R$ 70 milhões)”

Fonte: Money Times | 21 de junho de 2020